A colaboração

As mudanças rápidas são características intrínsecas aos nossos tempos, que leva as sociedades do mundo todo a lidar com múltiplos e simultâneos desafios (por exemplo, a variabilidade climática, os fenômenos meteorológicos extremos, a rápida urbanização, a instabilidade econômica, os movimentos de pessoas e de bens e a degradação dos ecossistemas). Isso frequentemente gera distâncias e inequidades entre vários grupos sociais no que diz respeito à saúde e ao bem-estar.

Na luta para um mundo mais saudável, mais justo e sustentável, frequentemente agimos como se o desenvolvimento fosse um processo social simples de gestão e de interações elementares, entre pessoas e ecossistemas; a realidade é muito mais complexa e integral. São necessárias novas abordagens para a pesquisa, a política, a prática e a formação, que transcendam disciplinas e sectores. As abordagens ecossistêmicas em saúde e processos inovadores de colaboração apareceram em resposta à essas necessidades.

Esta colaboração foi criada por membros das Comunidades de Prática sobre as Abordagens Ecossistêmicas em Saúde (CoPEH) na América Latina e no Caribe (CoPEH-LAC) e no Canadá (CoPEH-Canada). EkoSanté foi formalizada em 2013 após ter recebido financiamento do Centro Internacional de Pesquisa para o Desenvolvimento do Canadá (IDRC).

A colaboração tem por objetivo melhorar as estratégias, métodos e meios de influenciar e orientar as políticas e práticas intersetoriais que promovam a sustentabilidade dos ecossistemas e a saúde pública. Um programa de pesquisa e construção de capacidades será desenvolvido e executado durante um período de quatro anos. O programa está composto de bolsas de formação, participação em cursos de verão, oficina de desenvolvimento profissional, bolsas de pesquisa e sessões de diálogo com múltiplos atores.

Os principais objetivos da EkoSanté são:

Caminho até a mudança

Aprofundar os conhecimentos aplicados e teóricos sobre como a pesquisa em ecosaúde informa as políticas e práticas intersetoriais relevantes para a saúde, os ecossistemas e a sociedade.

Aprender e se formar

Aumentar a capacidade dos responsáveis políticos, profissionais e pesquisadores, pesquisadoras, para abordar os desafios teóricos e metodológicos na compreensão, comunicação e resposta aos problemas complexos inerentes da intersecção entre a saúde, os ecossistemas e a sociedade.

Resiliência e sustentabilidade da rede

Promover o intercambio de conhecimentos, a continuidade e a longevidade das CoPEHs e dos enfoques ecossistêmicos para a saúde nas Américas, por meio da manutenção e da ampliação de alianças com outros grupos que compartilham objetivos semelhantes.